Chá de erva-de-são-joão tem ação antidepressiva; saiba mais aqui

A erva-de-são-joão ou hipérico é uma planta popularmente conhecida por auxiliar no tratamento da depressão, entre outros problemas. No entanto, é preciso usá-la com acompanhamento médico, porque ela possui reações adversas.


Há séculos, a erva-de-são-joão é utilizada como antidepressivo natural, além de possuir efeito cicatrizante, laxante, diurético e antitérmico.

Ela é geralmente indicada em quadros de depressão leve ou moderada, com grande aceitação em países como a Alemanha, lugar em que chega tomar a frente de medicamentos famosos como o Prozac.

Leia também: Chás para depressão; saiba quais são

Um estudo científico de grande porte feito na Inglaterra pelos doutores Philipp, Kohnen e Hiller concluiu que o hipérico é tão eficaz no tratamento da depressão quanto a Imipramina.

A pesquisa apresentou a erva como uma opção segura para dar mais qualidade de vida aos 250 pacientes avaliados durante os dois meses de acompanhamento.

Outra boa notícia é que, por conter propriedades importantes no combate a vários distúrbios do humor, a erva-de-são-joão possivelmente é útil para os pacientes com doença de Crohn.

As pessoas portadoras desta condição frequentemente têm ansiedade e depressão. Porém, é necessário fazer estudos específicos a respeito.

Hypericum perforatum (nome oficial da planta) também é empregada em casos de insônia, dor de cabeça, tétano, gastrite, hemorroidas e nevralgias.

Tudo porque a erva-de-são-joão contém hipericina e seus fitocomplexos. A substância seria a principal responsável pelos benefícios do vegetal. Ela age como calmante e, por isso, é capaz de combater a depressão, de acordo com pesquisas.

Mas, como o mecanismo de ação da hipericina ainda não foi totalmente esclarecido, é fundamental o acompanhamento médico ao consumir a planta, uma vez que ele pode provocar reações adversas e problemas de saúde.

Além do chá de erva-de-são-joão produzido para infusão, existem as cápsulas padronizadas de extrato de Hipericum perforatum.

Os efeitos do hipérico geralmente levam até quatro semanas para serem sentidos.

Entretanto, só o profissional de saúde pode prescrever a forma segura de consumir, a quantidade recomendada por dia e o tempo do tratamento.

O hipérico conta ainda com vitamina C, aminoácidos, saponinas, carotenos, taninos, fitoesterois, resinas, pectina, catequinas, prociandina, flavonoides e óleo essencial.

A erva-de-são-joão também traz uma substância chamada hiperforina, à qual os estudiosos atribuem alguns dos efeitos adversos da planta. Por esta razão, já são produzidos extratos da erva com somente traços da hiperforina.

Erva-de-são-joão: reações e interações medicamentosas

O Food and Drug Administration (FDA), que controla alimentos e remédios nos Estados Unidos, faz advertência em relação às interações provocadas pela junção de hipérico e medicamentos antirretrovirais. A planta pode
atrapalhar a ação dos medicamentos contra o HIV.

E mais: há pesquisas indicando que a planta tem condições de interagir com sinvastatina, amitriptilina, nortriptilina, antidepressivos tricíclicos, anticonvulsivantes e anticoagulantes.

Por exemplo, no caso do anticoagulante warfarina, a erva-de-são-joão é capaz de reduzir seu efeito.

A planta também pode elevar a toxicidade de nefazodona ou inibidores seletivos da receptação de serotonina.

O uso simultâneo deste vegetal com a paroxetina produz náuseas e perturbação psiquiátrica.

Existem relatos de pacientes que consumiram a erva e sentiram dor depois de tomar banho de sol, porque ela tem função fotossensibilizante.

Outros tiveram psicose com alucinações e ilusões após a ingestão do chá de hipérico, mesmo sem histórico pessoal ou familiar de distúrbios psiquiátricos.

Sem falar nos trabalhos que mostram casos de indivíduos que passaram a ter estado de mania a partir do uso da erva.

Saindo um pouco do campo mental e dos remédios, existe o risco de hipertensão quando o chá de erva-de-são-joão é combinado com alimentos aparentemente inofensivos (queijo, repolho e picles), além de bebidas como o vinho.

Ou seja, aproveite a erva-de-são-joão com cautela. Converse com seu médico!

Até breve…

Recomendados para você:

Compartilhe com seus amigos!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •