Chá de Angélica: saiba para que serve e como fazer

Benefícios e usos

Na Escandinávia, os talos de angélica são preparados como legumes. Depois de cozidos, recebem confeito gelatinoso e servem para enfeitar bolos. Esta plantinha ainda dá origem a um chá com diversas propriedades medicinais. Veja mais nos próximos parágrafos…

Angelica sylvestris L. é o nome oficial dela, uma herbácea que alcança no máximo 2 metros de altura, possui grosso caule canelado em cuja extremidade estão distribuídas as flores em formato de guarda-chuva.

Em alguns países, a angélica é aproveitada também no tempero de peixes. Além disso, suas folhas servem de ingredientes para sopas e saladas. Quando secas, as folhas são utilizadas como embrulhos de alimentos assados para que sejam conservados durante viagens.

O caule e as sementes de angélica pode ser empregados para dar cheiro aos doces; já suas folhas servem para fermentar cervejas amargas.

As propriedades medicinais da angélica são proporcionadas basicamente por dois princípios ativos: a angelicina, que possui ação sedativa e equilibradora do nosso sistema nervoso; e o felandreno, com capacidades digestiva e espasmolítica.

A angélica contém elementos bioativos que atuam como: antiácido, anti-inflamatório, antisséptico, aromático, digestivo, carminativo, depurativo, aperiente, antitóxico, estimulante, tônico, sudorífero e antifúngico.

Por isso, o chá de angélica é um bom tônico e favorece o funcionamento do aparelho digestivo; eleva a produção de sucos gástricos, reduz fermentação intestinal e elimina gases; combate enxaqueca de origem digestiva.

E mais: ajuda a recuperar o apetite de pessoas debilitadas e é recomendado aos que sofrem de estômago caído (ptose gástrica), além de combater bronquites, câimbras, cólicas e anorexia.

A angélica serve também para aliviar a sensação de dor nos ossos decorrente de reumatismo, quando aplicada externamente.

Quanto ao sistema nervoso, o chá de angélica é útil em quadros depressivos, de debilidade nervosa ou neurose; melancolia, insônia e ansiedade.

Se você está passando por exames na escola, faculdade, ou qualquer outro tipo de prova difícil, a bebida é um excelente aliado. A dica vale também para quem está se recuperando de doenças debilitantes ou atravessa um momento muito estressante.

O chá de angélica é diurético e depurativo. E os efeitos medicinais da planta são obtidos por meio de seu caule, folhas, raízes e sementes.

Como preparar o chá de angélica

  1. Utilize a proporção de 20 gramas das raízes de angélica para cada 800 ml de água;
  2. Leve a água ao fogo e espere que ela ferva;
  3. Adicione a raiz de angélica e deixe fervendo por mais alguns minutos;
  4. Desligue, coe e tome o chá assim que a temperatura atingir um ponto agradável, de preferência 3 vezes ao dia.

Seja na infusão ou cozimento da erva, existe ainda a possibilidade de usar 2 gramas de angélica (seca) por xícara de água. Basta ferver o líquido, colocar a erva dentro e desligar o fogo, esperando 10 minutos de repouso da bebida em seguida.

Efeitos colaterais e contraindicações do chá de angélica

Quem possui histórico de sangramentos não deve consumir a erva. O contato da erva (sumo) com a pele causa foto-sensibilização. Um conselho: depois de manipular a planta, evite tomar sol.

A planta não deve ser utilizada por lactantes, indivíduos portadores do Mal de Parkinson ou que apresentem sinais da doença, mas ainda não foram diagnosticados. Crianças com problemas neurológicos não podem ingerir o chá de angélica.

Tomados os devidos cuidados, e com acompanhamento profissional, os chás podem ajudar bastante na manutenção do equilíbrio físico e mental. O chá de angélica é um exemplo.

Aproveite a sugestão de hoje para ter mais qualidade de vida com ajuda da natureza. Converse com seu médico e veja como fazer isso de forma segura.

Até o próximo artigo com outro chá…

Recomendados para você:

Comments are closed.